Rue Catinat

15.3.05

 
Eu bem lhes explicava esta sensação de me abandonar, de embarcar no Outro, de tédio e bocejo, acompanhado pelo sentimento doloroso de perceber o Outro fazendo tudo aquilo de que eu me inibia. Ou estaria eu tão importante que era dois? Um máximo na vida da Nação e ambicionado por muita gente...A verdade é que me dilatava tanto, o inchaço era de tal forma evidente que só me satisfazia sendo dois, não aguentava tamanha pressão apenas na forma de um indivíduo, tinha de ser dois em corpo, senão rebentava o que em mim era desejo.

[Ruben A., O Outro Que Era Eu]

Comments:
Somente para assinalar a minha primeira visita ao vosso espaço. Gostei da ideia.
Abraço
 
Agradeço-lhe a gentileza, e espero que regresse
 
Enviar um comentário



<< Home

Archives

Março 2005   Abril 2005  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?